terça-feira, Outubro 18, 2011

O melhor de nós!

O filho honra o pai, e o servo ao seu amo; se eu, pois, sou pai, onde está a minha honra? e se eu sou amo, onde está o temor de mim? diz o Senhor dos exércitos a vós, ó sacerdotes, que desprezais o meu nome. E vós dizeis: Em que temos nós desprezado o teu nome? Ofereceis sobre o meu altar pão profano, e dizeis: Em que te havemos profanado? Nisto que pensais, que a mesa do Senhor é desprezível. Pois quando ofereceis em sacrifício um animal cego, isso não é mau? E quando ofereceis o coxo ou o doente, isso não é mau? Ora apresenta-o ao teu governador; terá ele agrado em ti? ou aceitará ele a tua pessoa? diz o Senhor dos exércitos.
Malaquias 1:6-8
Há dias estava ao telefone com uma amiga que me dizia que há muito tempo que eu não escrevia nada! Tentei justificar-me, mas a meio da justificação começou a parecer que havia algo que não estava certo! Porque é que deixei de ter tempo para escrever? Porque tenho muitas outras coisas para fazer... pois!

Esta conversa deixou-me a pensar e lembrei-me da passagem de Malaquias transcrita acima. É certo que é uma acusação aos sacerdotes israelitas que procuravam enganar o Senhor, oferecendo em sacrifício animais impróprios o que pode parecer que está pouco relacionado com a minha falta de escrita! É naquela ultima expressão de Malaquias, quando sugere que os sacerdotes ofereçam os mesmos animais ao governador, para verem o que lhes acontece, que eu me revejo neste excerto bíblico.

É certo que não ando a oferecer sacrifícios, mas porque será que determinados aspectos da nossa vida merecem tanta atenção e tanto tempo e outros nem tanto, quando são de igual importância? Quem são os nossos "governadores" que merecem os melhores "animais"? O nosso emprego? A televisão? A Internet?...

Depois de reflectir bastante sobre isto, cheguei à conclusão que todas as coisas têm o seu tempo e merecem a devida atenção. Quando estamos no emprego devemos nos concentrar nele. Quando estamos em família devemos nos concentrar nela. Quando estamos com Deus devemos nos concentrar Nele. Idem para os amigos, para aqueles com quem negociamos, para aqueles com quem trabalhamos! 

Recentemente tenho dado por mim a olhar para o ecrã do computador ao mesmo tempo que falo com alguém... estou a dar a essa pessoa um "animal impróprio"! Não lhe estou a dedicar o tempo e atenção que merece!

Sempre que estamos a fazer alguma coisa (trabalho, conversa, etc.) devemos dar sempre o melhor de nós, do nosso tempo e da nossa atenção, não por ser um sacrifício, mas por ser uma forma de respeitar o próximo e a Deus.

Até breve!

quinta-feira, Setembro 02, 2010

Silencioso

Ao que lhe respondeu o anjo: Eu sou Gabriel, que assisto diante de Deus, e fui enviado para te falar e te dar estas boas novas;
e eis que ficarás mudo, e não poderás falar até o dia em que estas coisas aconteçam; porquanto não creste nas minhas palavras, que a seu tempo hão de cumprir-se.
Lucas 1:19,20



Ah! O silêncio é uma maravilha, nada de ruídos apenas o palpitar da nossa pulsação, é fantástico! Infelizmente eu não sei o que é silêncio há anos!!! Por causa de uma constipação mais aguda fiquei com um zunido permanente num ouvido, por isso quando as coisas estão mais calmas eu oiço um incómodo e por vezes irritante zunido!

Mas não é desse tipo de silêncio que vou falar, mas sim do silêncio aqui do local de escrita incerta (vêem, eu cá não engano ninguém: incerta). Por outros motivos abri a página há pouco e vi que já passou quase um ano sem escrever nada, fiquei silencioso!

Gostava de poder dizer que me aconteceu o mesmo que a Zacarias, mas não, não vi nenhum anjo, nem ouvi profecias, nada, ou talvez não...

Há um ano atrás as coisas estavam complicadas mas estava de mente aberta, com esperança, depositando a minha vida e toda a minha confiança em Deus! Este tempo mantive-me calado porque, nada mudou (não é uma queixa, apenas uma constatação). Dificuldades, sim continuam, mas já são outras. Confiança em Deus, também, mas é a mesma! Então, porquê o silêncio?... Não sei (grande resposta!!!). Talvez cansado, talvez fartura, talvez por achar que iria ser apenas um zunido, calei-me...

Mas agora resolvi falar (mais uma vez não sei porquê)...

Dois bons amigos (vocês sabem quem são) foram-se embora, estão mais longe da vista mas não do coração. Outros entretanto vieram para mais perto, mas ainda assim longe da vista, nunca do coração(vocês também sabem quem são). Mas às vezes olho à minha volta e vejo-me no meio do silêncio ainda que rodeado de ruídos e sons, não estou sozinho mas vejo-me no topo de uma duna de um deserto só com areia à minha volta e dói!

Mas não é por muito tempo pois...
E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Ajudador, para que fique convosco para sempre. (Jo 14:16)

e assim, mesmo no meio do silêncio ruidoso e da solidão na multidão, um Ajudador me segreda ao ouvido palavras de consolo e me acompanha.

Este Ajudador não é meu exclusivo, Ele também está disponível para ti, chama-O!

terça-feira, Setembro 29, 2009

Apenas mudei de instalações

Ainda que ele me mate, nele esperarei; contudo os seus caminhos defenderei diante dele

Job 13:15

Jó (ou Job) era um muito rico, com uma família numerosa e de um segundo para o outro viu-se pobre, sem filhos e com uma doença incurável. A mulher abandonou-o recomendando-lhe que amaldissoasse a Deus, os amigos repreenderam-no e não o ajudaram, mas mesmo assim ele confiou sempre em Deus!

Há duas semanas atrás estive numa celebração fantástica: o Pr. Paulo Branco (que me baptizou e casou) comemorou 50 anos de vida, 30 anos de ministério e 15 anos à frente da Igreja de Almada. Entre muitos amigos e conhecidos estava um Pr. espanhol de nome Manolo Alvarez que falou do seguinte versículo: Respondeu Jesus e disse:O que eu faço, não o sabes tu agora, mas tu o saberás depois. (João 13:7). Pedro tinha acabado de perguntar a Jesus quem deveria lavar os pés a quem e a resposta de Jesus é mais que uma resposta à questão de Pedro, é uma indicação do que aí vem. Horas depois Jesus seria torturado e eventualmente crucificado e Pedro (e os restantes apóstolos) ainda não o sabiam, mas viriam a saber mais tarde...

Estas palavras têm falado muito comigo ultimamente! Há cerca de dois meses tive (e os meus colegas comigo) uma mudança radical na minha vida profissional: mudei de instalações de trabalho! Agora trabalho numa antiga cadeia (com barras nas janelas e tudo) e de certa forma todos estamos tristes e aborrecidos porque não gostamos do sítio, mas continua a vir à minha cabeça o que eu faço, não o sabes tu agora, mas tu o saberás depois. E isto continua a vir à minha cabeça porque nem sempre compreendemos as mudanças, nem sempre vemos o que aí vem. Hoje olho para as janelas com barras e penso que estou numa prisão, sinto-me revoltado, aborrecido, desmotivado, mas... quem sabe o que aí vem? Quem sabe o que Ele tem preparado?

E quando paro e penso um pouco mais, olhando à minha volta, vejo que na realidade mais do que revoltado ou aborrecido ou desmotivado devo estar grato. Grato porque mudei de instalações e não fui despedido! Grato porque, apesar das barras nas janelas, tenho um tecto sobre a cabeça quando tantos trabalham ao frio e ao vento! Grato porque mudei umas centenas de metros para a frente e não para uma cidade ou povoação distante e continuo perto da minha família! Grato porque apesar de tudo, continúo a ter amigos, com quem posso trocar umas gargalhadas (e umas zangas às vezes), com quem partilho grande parte do meu dia! Podem dizer que sou um optimista, que de certeza há muitas coisas más que estou a ignorar, mas não estou! O história de Jó termina (entre outras coisas) com os seguintes versículos: E o Senhor virou o cativeiro de Jó, quando orava pelos seus amigos; e o Senhor acrescentou a Jó em dobro a tudo quanto dantes possuía.(Job 42:10) Também teve sete filhos e três filhas (Jó 42:13) E, depois disto, viveu Jó cento e quarenta anos; e viu a seus filhos e aos filhos de seus filhos, até à quarta geração. Então, morreu Jó, velho e farto de dias.(Jó 42:16-17).

Não fiquei pobre como Jó, nem perdi a minha família, muito menos estou doente e a minha esposa está ao meu lado. Os meus amigos (e considero todos meus amigos) apoiam-me! Apenas mudei de instalações! Se Jó confiou, porque não posso eu confiar? Se o Senhor fez a Jó, porque não há-de fazer a mim?

E em jeito de conclusão: Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco" São Paulo na sua I Epístola aos Tessalonicenses

segunda-feira, Junho 22, 2009

Falta qualquer coisa

Pois é: lá passaram mais uns longos tempos sem colocar nada aqui!

Estava agora mesmo a pensar porquê? Isto até devia ser fácil: encontrar um versículo inspirador, escrever aqui o que o versículo inspirador me inspirou a escrever, sentar-me para trás e apreciar o trabalho! Fácil, não é? Pelos vistos não...

A verdade é que ao longo dos últimos tempos até tive algumas ideias inspiradas, mas na altura de abrir o computador e escrever, faltou-me qualquer coisa... Talvez coragem, ou mesmo vontade, força, espírito, enfim, qualquer coisa houve que me faltou e por isso deixei-me estar quietinho no meu canto.

Hoje também me falta algo, mas mesmo assim vou "forçar" um bocadinho (isto deve sair tudo torcido, sem sentido, mas serve para lutar contra a maré...

Já escrevi e apaguei este parágrafo umas três vezes, porque sabendo o que quero dizer não o sei por em palavras (mais uma coisa que normalmente me falta). Analisei com mais cuidado os motivos da minha resistência à escrita aqui (a escrita em geral para mim é uma tortura, desde as composições da 1ª classe até aos relatórios de hoje, cada frase é como uma chibatada...). Falta-me o olhar do outro lado, o sorriso, falta-me uma pessoa! Nunca fui rapaz muito gregário, aliás pelo contrário considero-me tímido, introvertido e durante algum tempo esta era a minha janela para o mundo, onde eu vinha, falava e estava feito! Mas agora isto não é suficiente, preciso do calor humano de uma conversa e o monitor é demasiado frio.

Jesus vive em mim e isso faz a diferença!

Hoje eu estou a escrever estas palavras, a "forçar" como disse mais acima, sem na realidade forçar nada. Não preciso pois Ele está comigo, não me falta a coragem, nem a força, nem a vontade e muito menos o Espírito! Ele está aqui e está-me a ouvir, eu sinto o calor da sua presença, o seu sorriso, o seu olhar...

Hoje de manhã senti-me mal, talvez por causa do calor ou de outra coisa, não sei. Sei no entanto que esbocei um sorriso quando dei por mim a pensar "O Senhor é meu pastor, nada me faltará". Nada me falta nem faltará, pois Ele é o Senhor da minha vida e é Nele que eu confio. Agora sei o que me faltava, naqueles dias em que me faltava qualquer coisa: faltava-me voltar para Ele e dizer-lhe "Te amo Jesus e preciso de ti!"

Se já te sentiste assim alguma vez na tua vida, se já alguma sentiste a falta de algo, fala com Ele pois com Ele nada te faltará!

quinta-feira, Março 12, 2009

Escrita incerta!

Tirai-lhe, pois, o talento e dai ao que tem os dez talentos.
Porque a todo o que tem, dar-se-lhe-á, e terá em abundância; mas ao que não tem, até aquilo que tem ser-lhe-á tirado.
Mateus 25:28-29



O subtítulo deste meu espaço é "Um local de escrita incerta" e se é verdade que ao longo do tempo tem sido efectivamente um "local de escrita incerta" a verdade é que há uns meses este meu estilo de escrita se tornou num silêncio improdutivo!

Cada vez que pensei em escrever aqui qualquer coisa sempre esbarrei com o cansaço, com uma fartura de tudo e de nada, e não escrevi! Não escrevi nem me esforcei muito porque sempre pensei que não faria grande diferença, afinal de contas quem iria dar pela minha falta (ou pela falta das minhas palavras)!!!

No Domingo passado mudei de opinião! Ouvi uma pregação que me abriu os olhos! Com base em Mateus 25:14-29 (se bem me lembro, mas não devo errar por muito) esta pregação mostrou-me que por muito pouco jeito que eu tenha com as palavras, este é um talento que Deus me deu e eu não posso enterrá-lo! Na pior das hipótese tenho que o fazer render uns juros!

Por isso, com muitos ou poucos leitores, com grande ou pequena profundidade, estou de volta à minha "escrita incerta"!

quarta-feira, Outubro 29, 2008

posso melhorar, mas não sozinho!

servindo uns aos outros conforme o dom que cada um recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus. Se alguém fala, fale como entregando oráculos de Deus; se alguém ministra, ministre segundo a força que Deus concede; para que em tudo Deus seja glorificado por meio de Jesus Cristo, ma quem pertencem a glória e o domínio para todo o sempre. Amém.
1 Pedro4 10-11

Meses sem escrever nada, mas hoje espero retratar-me!

A princípio não escrevia porque me faltava o tempo (não vou entrar por aí porque já por várias vezes aqui falei do assunto), mas recentemente afastei-me deste blogue por me sentir frustrado, desanimado, abatido! Mas frustrado porquê? Sendo eu um filho do Deus altíssimo terei razões para me sentir desanimado, sabendo que já sou vitorioso em Cristo?!

Na realidade é tudo uma questão de expectativas e daquilo que por vezes nós achamos que é o melhor para nós (e na realidade não é!). Olhando para trás, eu vejo que estabeleci determinadas expectativas para a minha vida e me tenho esforçado imenso para as alcançar. Mas pior que ter estabelecido estas metas, foi não as ter entregue nas mãos do Pai (estou para aqui a enrolar e nuca mais desenvolvo).

De forma a exemplificar, vou mostrar as expectativas que eu tinha para alguns aspectos da minha vida, começando com o facto de eu ser marido de uma mulher que amo muito, mas muitas vezes vejo-me a olhar para ela e a pensar que sou um mau marido, que a faço infeliz (apesar de ela nunca se ter queixado), etc. A razão para isto é que eu "imaginei" uma relação com a minha mulher que não existe nem pode existir: sem problemas, sem confrontos, felicidade infinita, satisfação total de nós os dois! Acredito que uma vida assim, só na morada celestial, mas eu posso melhorar, sei que posso, mas não sozinho! Preciso de ajuda...

Também imaginei ser um "super-pai", capaz de educar os meus filhos por um caminho sempre recto, para serem os filhos perfeitos (e estou a falar de dois rapazes de 6 e 3 anos...) sem birras, sem confusões, que eu os pudesse ajudar a crescer e que lhes pudesse facultar tudo o que eles precisassem! Agora vejo-me em lutas várias com eles, desde o simples banho até às brincadeiras, tudo serve para a confusão... Falhei como pai? Não, acho que não, apenas não sou o pai que imaginei, mas posso melhorar, mas não sozinho! Preciso de ajuda ...

No trabalho, na família, com os amigos, com tantas coisas o que eu imaginei e desejei está aquém daquilo que tenho feito, mas uma vez mais digo que posso melhorar, mas não sozinho...

Finalmente, o mais importante: imaginei-me um crente fiel, a avançar continuamente no caminho, cada vez mais perto do Senhor, mas tenho descoberto que é um caminho difícil, estreito e várias vezes vou escorregando, tomo atalhos e isso está-me a impedir de ser o cristão que eu desejo. Falhei? Não, sou apenas um homem, pecador por natureza. Tenho que melhorar, sem dúvida, mas não sozinho...

Com todas estas coisas (e mais umas outras) a fervilhar na minha cabeça acabo por cair na tal frustração, desânimo e abatimento. Preciso de ajuda, porque tendo falhado (aqui sim, de uma forma brutal) ao não colocar estas coisas nas mãos do Pai tenho usado as minhas forças (sim, eu sei: estúpido, cabeça dura, homem) a agarrar-me a tudo menos à rocha firme que é o nosso Salvador, Jesus! Quero acabar com isso agora e oro para que o Senhor me ajude!

Assim, com um bocadinho de reflexão esta noite, encontrei aquela passagem da 1ª epistola de Pedro (com certeza outras existem) e que interpretei como "o que quer que façamos, devemos fazê-lo para glória de Deus e Jesus Cristo". Não é da forma que imaginei, mas se calhar é da forma que mais Lhe agrada. À forma que eu imaginei e ansiei lá chegarei se for essa a Sua vontade.

Uma coisa é certa (e este é um conselho que deixo para todos que tal como eu se sentem "em baixo"), preciso de falar mais com o meu Pai celestial, preciso mais da ajuda Dele! Preciso de ouvir mais Dele! Se estou onde estou e como estou devo a Ele e a melhor forma de lhe "pagar" é fazê-lo de forma a que Ele saia glorificado. Isto deve ser suficiente para mim!

P.S:Peço desculpa por uma certa confusão de ideias, mas os pensamentos correm mais rápido que os dedos e mesmo fazendo uma revisão do texto antes de publicar, acho que algumas ideias estão mal explicadas.

terça-feira, Julho 29, 2008

O meu caminho está cheio de pedras

Então, tomou Samuel uma pedra, e a pôs entre Mispa e Sem, e chamou o seu nome Ebenézer, e disse: Até aqui nos ajudou o Senhor.
1 Samuel 7:12


Olhando para trás, para o caminho que tenho percorrido, posso ver está cheio de pedras! Umas maiores, outras mais pequenas, mas em cada uma delas eu pude dizer "Até aqui me ajudou o Senhor."
É assim o nosso Deus, fiel a cada dia, sempre connosco desde que nós queiramos que ele nos acompanhe!
Há quem diga que olhar para trás não interessa, o que interessa é o futuro, mas também conheço quem diz que para caminharmos para o futuro temos que conhecer o nosso passado! Olhe para trás, observe o seu caminho... Vê as pedras? Os Ebenézeres (que significa Pedra de Ajuda) estão lá? Se não estão, vá à procura deles, busque a Deus e rapidamente os verá surgindo nas suas costas...

Glória a Deus!